1/12 Busto Criança Guerrilheira - Guerra Peninsular

52.00

Esgotado


Edição Limitada

Descrição

A Guerra de Guerrilha na Guerra Peninsular refere-se às ações armadas realizadas por tropas não regulares contra o “Grand Armée” de Napoleão na Espanha e em Portugal durante a Guerra Peninsular. Esses homens armados eram uma fonte constante de assédio ao exército francês, conforme descrito por um oficial prussiano que lutava pelos franceses: “Onde quer que chegamos, eles desaparecem, sempre que saímos, eles chegavam – estavam por toda a parte e em lugar nenhum, não tinham nada tangível centro que pode ser atacado.” A Guerra Peninsular foi significativa na medida em que foi a primeira a ver um uso em larga escala da guerra de guerrilha na história europeia e, como resultado da guerrilha, as tropas de Napoleão foram amarradas na Península Ibérica, incapazes de realizar operações militares em outros lugares do continente. A pressão que os guerrilheiros causaram nas tropas francesas levou Napoleão a chamar o conflito de “Úlcera Espanhola“.

Uma lista elaborada em 1812 coloca o número dessas tropas irregulares só na Espanha em 38.520 homens, divididos em 22 bandos guerrilheiros. Houve vários dirigentes, como Francisco Abad Moreno “Chaleco“, Francisco Espoz y Mina, Joaquín Ibánez, Francisco de Longa, Juan Martín Díez “El Empecinado”, ulian Sáncez García, conhecido como “El Charro”, Jerónimo Merino, conhecido como “El Cura Menino”, Martin Xavier Mina, Tomás de Zumalacárregui, e outros… Embora as milícias organizadas localmente já tenham sido implantadas em Portugal e Espanha, particularmente nas regiões da Catalunha e Valência, onde milhares de “miqueletes” bem organizados (em conjunção com milícias locais conhecidas como “somatenes“) já haviam provado seu valor na revolta catalã de 1640 e na Guerra da Sucessão Espanhola (1701-1714). Ciente do sucesso da guerrilha urbana e rural até então, em 28 de dezembro de 1808 a Junta Central Suprema emitiu o “Reglamento de partidas y Cuadrillas”, um decreto que regulamentava a formação de tropas guerrilheiras. Isso seria seguido por outros decretos em 1809, autorizando o “Corso Terrestre” (“Corsários Terrestres“) a guardar para si todo dinheiro, suprimentos e equipamento que pudessem tirar dos franceses. Com efeito, em alguns casos, isso significava que eles eram pouco mais do que bandidos que eram, em alguns casos, temidos pelas tropas francesas e pela população civil. Pouco a pouco, esses grupos seriam incorporados ao Exército regular espanhol e suas cabecilhas (líderes) receberiam patentes militares regulares. Os guerrilheiros espanhóis frequentemente atacavam os componentes do escalão traseiro do “Grand Armée”, incluindo linhas de comunicação e suprimentos. Esses guerrilheiros eram principalmente civis comuns, predominantemente de áreas rurais e geralmente recrutados. O sucesso desses lutadores no conflito foi devido aos poucos homens e à pequena quantidade de equipamento e energia necessária para manter uma grande área e interromper os movimentos franceses. Apesar da vitória francesa na guerra convencional, a guerra não convencional simplesmente não poderia ser vencida. O estresse do conflito de guerrilha colocou uma pressão considerável sobre Napoleão, que observou que foi o caso “que me matou“.

No final de 1809, os danos causados ​​pela guerrilha levaram a Brigada Holandesa, sob o comando do major-general Chassé, a ser implantada, quase exclusivamente e, em grande parte sem sucesso, na guerra de contra-guerrilha em La Mancha. Em 1812, quando Napoleão partiu com um grande exército no que provou ser uma desastrosa invasão francesa da Rússia, um exército aliado combinado sob o comando de Wellesley invadiu a Espanha, derrotando os franceses em Salamanca e tomando a capital Madrid. No ano seguinte, Wellington obteve uma vitória decisiva sobre o exército do rei José Bonaparte na Batalha de Vitória. Perseguido pelos exércitos da Grã-Bretanha, Espanha e Portugal, o marechal Jean-de-Dieu Soult, não obtendo mais apoio suficiente de uma França esgotada, liderou as forças francesas exauridas e desmoralizadas em uma retirada de combate através dos Pirineus durante o inverno de 1813-1814.

Os anos de luta na Espanha foram um fardo pesado para o “Grande Armée” da França. Enquanto os franceses eram vitoriosos na batalha, eles acabaram sendo derrotados, pois suas comunicações e suprimentos foram severamente testados e suas unidades foram frequentemente isoladas, assediadas ou oprimidas por guerrilheiros lutando em uma intensa guerra de guerrilha de ataques e emboscadas. Os exércitos espanhóis foram repetidamente derrotados e levados para as periferias, mas eles se reagrupariam e perseguiriam implacavelmente e desmoralizariam as tropas francesas.

A Guerra Peninsular é considerada uma das primeiras guerras populares, significativa para o surgimento da guerra de guerrilha em grande escala. É desse conflito que a língua inglesa tomou emprestada a palavra. Os guerrilheiros incomodaram as tropas francesas, mas assustaram seus próprios compatriotas com recrutamento forçado e saques. Muitos dos partidários estavam fugindo da lei ou tentando enriquecer. Mais tarde na guerra, as autoridades tentaram tornar os guerrilheiros confiáveis. Os franceses acreditavam que o absolutismo esclarecido havia feito menos progresso na Espanha e em Portugal do que em outros lugares, e que a resistência era o produto de um século do que os franceses percebiam como atraso no conhecimento e hábitos sociais, obscurantismo católico, superstição e contra-revolução. O estilo de luta de guerrilha era a tática mais eficaz dos militares portugueses/espanhóis. A maioria das tentativas organizadas das forças regulares portuguesas/espanholas de enfrentar os franceses terminaram em derrota. Assim que a batalha foi perdida e os soldados voltaram às suas funções de guerrilheiros, eles amarraram um grande número de tropas francesas em uma vasta área com um gasto muito menor de homens, energia e suprimentos e facilitaram as vitórias convencionais de Wellington e seus anglo-portugueses exército e a subsequente libertação de Portugal e Espanha. A resistência em massa do povo espanhol inspirou os esforços de guerra da Áustria, Rússia e Prússia contra Napoleão.

Informação adicional

Peso 1 kg
Dimensões (C x L x A) 25 × 10 × 1 cm

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Apenas clientes com sessão iniciada que compraram este produto podem deixar opinião.

EnglishFrenchGermanItalianPortugueseSpanish
×

Olá, estamos disponíveis para o ajudar!

Envie-nos a sua questão.

× Precisa de Ajuda?